Do que precisava aprender, nesse momento frio e obsessivo era: como ser lenta e sábia, feito tartaruga que, diferente de todas as outras, hibernava 10 meses no ano em algum canto escuro de si mesma. e também como, ao invés de bater asas rápidas até atingir a transparência, também aprender a tirar das flores mais cheias de espinhos aquele néctar, esse doce da vida que beija a boca. De resto, tudo era caminho e céu de nuvens e sonhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *