as casas pela metade, a rua sumida ali,
daquela janela só vi
sonhos insones que atravessaram um árido deserto e
Não lembro mais que caminho era aquele que
Ah, mas é sábado e tem sol
ao meio-dia
Dia também pela metade
e eu aqui, inteira-
mente
Minto:
não estou plena,
falta aquele céu azul do teu
a-
braço
e uma hora inteira
sem nada
nem ninguém.
Sou nuvem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *