Como se fosse verão, amanheceu sol
(já tinha verdecido pensamentos e sentia as folhas no meio das pernas)
e de hora em hora, perdeu o tempo – cansou relógios
(ela não queria o segundo nem o primeiro, queria o longe e o perto)
deitou-se, como se nascida de grama e cheiro.
Não viu nem o começo nem o fim,
infinita que era
hera?
Como se galgasse muros, percorresse nuvens, (e assim, chovesse)
ela deixou-se
ser:
azuis
entre os dedos trazia uma meia-lua
quase inteira
quase negra
quase agora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *