A fumaça no cheiro no olho no ar
Foi como se
Era quando
onde não se sabia
quem.
O cinza
a névoa
a nuvem
o pensamento tóxico de que
talvez.
Agora
pela janela
a fumaça
o ar desenhado por nuvens artificiais
as folhas
os pássaros
era a fumaça nos pulmões
sem cigarro
sem prazer
sem xamã
sem nada que nos ligasse a:
Era fumaça pura
de fogo impuro
de fogueira insana
de transformação inútil.
Fumaça

poeira:
sem fênix, sem nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *