Naquele calor, ela lembrou da dilatação dos corpos. Quando olhou aquelas costas, aquela nuca, seu corpo engoliu o mundo todo, toda ela. Dilatadas pupilas, a vida parecia outra, ela mesma, transformada.
Largou trabalho, queimou a casa, escolheu um único poema.
E foi viver no frio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *