Ela podia ser mais
(calma paciente otimista)
Ela tinha que ser menos
(colérica descrente bêbada)
era o que todos diziam –
alguém disse.
Ela era surda (quando queria)
Não gostava de calor
gostava de verão (quando era noite)
Pestanejou, numa noite de segunda (podia ser de quinta também)
e não sabia se o sonho era ela ou ela era o sonho
(entre parênteses e realidade, é só (

Desvestiu pés
arrancou as roupas
rasgou listas
e foi para o jardim esperar a chuva
com uma taça de tinto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *