No verso com cheiro de limões,
espalho ardentes pensamentos,
verdes ainda
nesse verão outonal:
estranho,
vermelho,
seco.
Ao sol
o verso ainda cru entre os dedos,
feito sexo recém acordado,
fica aqui
cada vez mais dentro,
cada vez mais,
esse verso

verde
cru
entre as pernas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *